Porto Judaico

O Porto sempre defendeu os seus, e com os seus Judeus não foi excepção. Nós sabemos as histórias que contam a História da Herança Judaica na Cidade..

Em 1496, para agradar aos Reis Católicos, D. Manuel I ordena a expulsão dos Judeus do reino, inaugurando um dos períodos mais negros da história de Portugal e que, graças à Inquisição provocou a migração da comunidade ou a conversão forçada, dando origem aos cripto-judeus, conhecidos como “marranos”.

Mas o Porto, como sempre, comportou-se de forma diferente. Enquanto em todo o País os Judeus eram perseguidos e mortos às centenas, na Invicta ou se fechavam os olhos ou se sabotava o trabalho da Inquisição. Cientes de que os Judeus eram importantes para a pujança económica da Cidade, tudo se fez para que se integrassem às escondidas.

Já no início do século XX, o Porto mostrava as suas cores. Através de um herói da I Guerra Mundial, um Marrano convertido ao Judaísmo chamado Barros Basto, começou a Obra do Resgate, para restaurar a honra dos Judeus em Portugal. Criou uma escola Judaica e em 1938, o ano da hedionda Noite de Cristal que começou em força a perseguição aos judeus por toda a Europa, inaugurou a Sinagoga Kadoori – Mekor Haim, a maior da Península Ibérica e uma das maiores da Europa. Ainda nos dias de hoje o é.

Alfaiate

Ajude-nos a perceber quais são os seus gostos nos formulários abaixo. Escolha as opções que se adequam a si e clique no botão "Estou pronto".

A resposta não tardará.

  1. Gastronomia
  2. Património
  3. Ar livre
  4. Vivendo a Cidade
  5. Porto Temático
  6. Transportes
  7. O seu Nome e Email*

Gastronomia

Património

Ar livre

Vivendo a Cidade

Porto Temático

Transportes

O seu nome e email